MÁQUINAS ANTROPOFÁGICAS



Esta sessão não contém peças ou obras teatrais fechadas, mas mecanismos estruturais de intervenção e investigação artística desenvolvidos pelo grupo ao longo de sua trajetória. A idéia de Máquina enquanto ferramenta teatral, muito inspirada na poética e nas obras teatrais de Tadeusz Kantor, se materializa pela primeira vez em 2010 com a Karroça Antropofágica. Uma estrutura móvel sobre rodas, abre-alas de um coro cênico-musical deslizante, desenvolveu-se como mistura de cortejo, happening, performance e intervenção.

Dessa experiência, desdobramos um eixo de ação ao qual demos o nome de Máquinas de Intervenção Urbana, construídas para explorar formas não convencionais de diálogo teatral com a rua e a cidade. Para além destas, um outro conjunto compreende as Máquinas Processuais, voltadas para o aprofundamento da relação entre o público e nosso processo criativo.

Compartilhando uma mesma base teórico-filosófica, oriunda do encontro entre as máquinas de Kantor e as experiências históricas do teatro de Agit-Prop e do CPC da UNE, todas as Máquinas Antropofágicas apresentam algumas características em comum:


• Adaptáveis a uma ampla variedade de temas

• Estruturas variáveis e improvisacionais

• Roteiros que se modificam a cada apresentação

• Dramaturgia cambiável

• Objetivo performático e/ou de rua

• Elenco sem número definido