REVISTA BUCHO RUMINANTE



Edição 2

Chegamos à Bucho Ruminante Número 2
0,1,2...
Primeiro desejamos que esta revista, se chegou a sua mão, possa ser um respiro nos enforcamentos da labuta cotidiana.
A luta desta Revista na verdade começou em 2013 quando lançamos a Número Zero, em seguida em 2014 a Número 1. Agora em 2015, nos 15 minutos finais do segundo tempo, apresentamos a vocês a terceira revista: a Número 2. Apesar das datas, a Bucho não é uma revista propositalmente anual, mas sim uma revista que aparece quando temos o que falar e condições materiais de realizá-la.
Nós: Feios, Sujos e Malvados, queremos mostrar um pouco de nossa imersão no trabalho de pensar a forma revista.
Neste número temos uma série de “coincidências” que envolvem o número dois.
Duas entrevistas com dois cineastas brasileiros: Adirley Queirós e Rodrigo Aragão.
Dois textos dramatúrgicos de dois autores a plenos pulmões na criação contemporânea.
Textos estes levados à cena, este ano, pela Antropofágica.
Duas páginas com uma lenda, com dois personagens que voltam a povoar as páginas desta revista.
E muitas outras coincidências serão apresentadas nas páginas subsequentes.
A Bucho Ruminante é uma revista que não pretende esconder as especificidades de ser feita coletivamente por um grupo de teatro: um passeio que advém de nossa necessidade de dizer no papel.
Por conta disso, a Bucho é uma revista que tem a predominância de temas e assuntos ligados à arte. O que não exclui nosso movimento de continuar pensando/criticando.
Nossa capa é um pequeno exercício que tem intenções. Temos nela uma grande cadeira por onde perpassam episódios artísticos e sociais de um ponto de vista poético. Esta IMENSA cadeira contém também nosso salve de apoio aos estudantes, que hoje resistem aos processos de precarização do ensino e da vida.
Por último: Bucho Ruminante é uma publicação bastarda.

Bom apetite

Edição 1

Chegamos ao número UM. Com jeito de dois. E preço zero. Na primeira Bucho (edição número zero), fizemos um apanhado da história da Antropofágica. Passamos em revista nossos erros e acertos. Nesta edição, o espaço e tempo giraram para outros grupos. Trata-se de uma edição especial. Antes que todos comecem a despargir pela verrina ... Fomos ao Boal. O que pensa você do Brasil de hoje? Dossiê da Feira. Convidamos os grupos a ruminarem juntos. O dossiê foi escrito a centenas de mãos. Mas cada cabeça, uma sentença. Os grupos e artistas tiveram liberdade de expressão em seus registros e impressões sobre a II Feira Paulista de Opinião ou I Feira Antropofágica de Opinião. Ajuntamento tribal dos grupos de esquerda, luta, combate, enfrentamento, anticapitalistas, contra-hegemônicos, anti-mercadoló- gicos (ou outra alcunha mais ao gosto do freguês: cada cabeça, uma sentença). Todo abismo é navegável a barquinhos de papel. Há ainda as cruzadas, o cartaz de Mahagonny-Marragoni, uma entrevista com o ator Renan Rovida (conce- bida e elaborada especificamente para os atores em formação das Oficinas do Ator Antropofágico e a todos os jovens iniciantes em teatro), a fábula do Jujuba, o índice-rã (essa é pra você, Oswald!). Na capa, a Torre de Babel ou a Babelização: primeiro a barriga, segundo vem amar, terceiro vem a briga...beber em quarto lugar. Fique bem compreendido, aqui é tudo permitido. Só que não. E, por último, Bucho Ruminante é uma publicação bastarda. Bom apetite!







Edição Zero

Este é o número zero de uma revista da Antropofágica. Nosso maior erro. Viva a contribuição milionária de todos os erros. Esta é uma revista anti-patrulha. Ela pretende ser o que quer (no sentido de necessidade). Pois foi a melhor forma de colocarmos à prova (no sentido culinário) pedacinhos de nós. Ser revista porque nos permite maior liberdade de formas e conteúdos. A novidade do material e do procedimento nos é indispensável. Uma revista para ser ruminada. Passar em revista os 10 anos da Antropofágica. Uma revista que visa servir entrada, prato principal e sobremesa. Uma revista de classe. Ruminar, voltar à boca o alimento para nova mastigação. Ter um bucho ruminante. Todos os alimentos depois de triturados, misturados, voltam para nova mastigação. Seguimos ruminando. O bucho ruminante (que arreganha a dentuça) declara guerra à tendência geral que considera ruminar perda de tempo. Revisitar e andar em espiral. Por último, Bucho Ruminante é uma publicação Bastarda.
Bom Apetite.